segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Preparai os caminhos do Senhor

Resultado de imagem para joão batista

“DEVEMOS ESTAR ABERTOS AO PROJETO DE AMOR DE DEUS”.
  
Estar abertos ao que o senhor nos pede é o grande desafio que temos no momento difícil da história que passamos. Como cristãos enfrentamos a ditadura do relativismo que afirma aos quatro ventos que seremos felizes vivendo no individualismo o que vai contra o reino de Deus. A crise de afeto que a humanidade atravessa como consequência do egoísmo leva a humanidade a sua própria ruína. Os cristãos são comprometidos pelo batismo a transformar o mundo. João Batista levou até o fim a sua adesão ao projeto de Deus. Ele é um exemplo de entrega a Deus para nós que sofremos as dores do afastamento de Deus.


EVANGELHO (Mc 1, 1-8):

Início do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus.  Está escrito no livro do profeta Isaías: “Eis que envio meu mensageiro à tua frente, para preparar o teu caminho. Esta é a voz daquele que grita no deserto: ‘Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas estradas!’” Foi  assim que João Batista apareceu no deserto, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados. Toda a região da Judéia e todos os moradores de Jerusalém iam ao seu encontro. Confessavam os seus pecados e João os batizava no rio Jordão. João se vestia com uma pele de camelo e comia gafanhotos e mel do campo. E pregava dizendo: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu nem sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”.

 Resultado de imagem para joão batista
“Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu vos batizei com água, mas ele vos batizará com o Espírito Santo”.

O evangelho de São Marcos inicia com a profecia de Isaías em relação à grande figura de João Batista que tem a missão de preparar o caminho do Senhor. Este caminho é o projeto de Deus que terá seu ápice na vinda de seu Filho e na ação definitiva do Espírito Santo na vida das pessoas de boa vontade. O plano de Deus tem uma lógica impressionante. Infelizmente as pessoas preferem se deixar guiar pelos caminhos mais “fáceis” que o mundo apresenta. A felicidade é resultado dos sofrimentos momentâneos que passamos para seguir Jesus.
O cristianismo sempre será uma contradição para aqueles que estão perdidos no hedonismo, busca de prazeres momentâneos, da sociedade. Esta acredita que a fonte da felicidade está nos prazeres da vida. Deus nos apresenta algo bem diferente em seu projeto de amor pela humanidade. João Batista é coerente com a Palavra. Ele será admirado por muitos, mas terá uma morte sangrenta por querer concretizar o que Deus lhe pedia em relação ao povo que estava caminhando sem nenhuma orientação. Sempre será assim. Os mártires são portas para o caminho de Deus. Seu sofrimento é coroado com a verdadeira glória dos filhos de Deus.
O mundo caminha para sua própria ruína se esquecer seus valores fundamentais. Nós cristãos estamos comprometidos na transformação da sociedade. Devemos seguir o exemplo de São João Batista anunciando a verdade dentro de um mundo cheio de fantasias e ilusões que arrastam as pessoas ao sofrimento verdadeiro e permanente.
Nós recebemos a graça do santo batismo para termos coragem de seguirmos em frente na nossa missão. Não podemos desanimar. Devemos olhar para o incorruptível que nos espera na eternidade para passarmos pelo corruptível do mundo.


“Senhor Jesus, dai-nos força para vivermos nossa vida sempre conformes ao vosso ensinamento”.


Rio Grande, 29 de novembro de 2011.

























segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Estai preparados

Resultado de imagem para vigiai

“DEVEMOS ESTAR ATENTOS NA ESPERA DO SENHOR”.



Estamos iniciando um novo ano litúrgico com a celebração do primeiro domingo do advento. Com grande alegria esperamos o dia que o Senhor virá para restaurar todas as coisas. Nós vivemos na expectativa da fé. Ela é alimentada pela oração que nos faz descobrir qual é a vontade de Deus em relação a nossa vida. A entrega feita pelo efeito da fé em nossa vida é que faz a diferença em nossa ação evangelizadora. O tempo do advento nos faz viver o presente na espera do futuro onde não estaremos mais submissos as nossas limitações. O evangelho de hoje nos propõe uma vigilância contínua. Quando o Senhor vier não poderá nos encontrar sem fazermos o bem dentro da realidade em que nos encontramos.

Resultado de imagem para vigiai


EVANGELHO (Mc 13, 33-37):

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Cuidado! Ficai atentos, porque não sabeis quando chegará o momento. É como um homem que, ao partir para o estrangeiro, deixou sua casa sob a responsabilidade de seus empregados, distribuindo a cada um sua tarefa. E mandou o porteiro ficar vigiando. Vigiai, portanto, porque não sabeis quando o dono da casa vem: à tarde, à meia-noite, de madrugada ou ao amanhecer. Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo. O que vos digo, digo a todos: Vigiai!”


“O que vos digo, digo a todos: Vigiai!”

O tema da vigilância aparece muitas vezes nos santos evangelhos. O que significa vigiar? É estar atento, pois algo pode acontecer e nos surpreender. Na estratégia militar o uso de vigilantes é fundamental para que o inimigo não consiga chegar ao seu objetivo. Na aplicação bíblica vemos várias vezes este verbo e nesta passagem do evangelho, a vigilância toma uma conotação mais forte. No caso que Jesus nos apresenta devemos estar vigilantes para a hora inesperada da chegada do patrão. Tudo o que temos nos é “emprestado” para fazermos o bem. Não somos proprietários de nada. Devemos utilizar todo o tempo necessário para praticarmos o bem neste curto espaço que temos em nossa vida.

Resultado de imagem para vigiai

A nossa existência é um constante “desafio administrativo” em relação ao amor imenso que Deus deposita em cada um de nós. Como criaturas d’Ele, devemos nos esforçar o máximo para correspondermos ao que nos pede. Tudo é Graça. Nossa colaboração é necessária para concretizarmos o plano de Deus na história.
Estar preparado significa em primeiro lugar concretizar a vontade de Deus dentro da contradição da história. Os cristãos sempre serão ridicularizados. Isto devido ao que vamos assumindo dos valores de Cristo que não se equipara com o que a sociedade valoriza. Assim como o azeite não se mistura com o vinagre. Os valores da sociedade não se misturam com os do Reino de Deus. Por esta razão a prática do amor, que é o grande ideal cristão sempre será um grande desafio dentro de um mundo egoísta.
Não podemos seguir a Cristo por medo do que nos possa acontecer. Devemos ter muita coragem de aceitar seu plano de amor e justiça. Seguimos a Cristo porque queremos sua proposta de verdadeira realização que se difere das alegrias momentâneas que o mundo se alimenta. A fonte da verdadeira alegria está na descoberta da vontade de Deus e de nossa capacidade de concretizá-la em nossa vida.
Jesus é o nosso salvador e amigo, sua proposta sempre nos trará mais felicidade do que o imediatismo oferecido pelo individualismo contemporâneo. Estar vigiando, é estar atento aos sinais dos tempos. Perceber que o mundo está voltado para as relações comerciais acima das relações afetivas. Jesus veio nos ensinar o amor que vai libertando o homem em sua totalidade. O batismo que recebemos é um processo de amorização de nossas vidas.
O mal só poderá ser combatido pelo amor. Hoje encontramos muitos sinais de morte que nos assustam tremendamente. Muitos seres humanos estão sendo impedidos de nascer e outros morrem em consequência da fome e da miséria. A guerra é promovida para alguns terem riquezas particulares. Há um grande número de dependentes químicos que estão nas fileiras da morte. Tudo isto só poderá ser transformado pela prática do amor que os cristãos deverão efetivar na realidade.

Resultado de imagem para vigiai

Devemos estar preparados na utilização de todos os meios para praticarmos o bem acima de tudo. Em todas as áreas de nossa vida devemos estar colocando os valores de Cristo para transformarmos este mundo. Sermos, através de nosso testemunho, um sinal de salvação para toda a humanidade.

“Senhor Jesus, olhai para cada um de nós a fim de que não nos desviemos do caminho do bem”.


domingo, 19 de novembro de 2017

Jesus Cristo Rei do Universo

Resultado de imagem para jesus cristo rei



“O REINO DE DEUS É CONCRETIZADO NA PRÁTICA DO BEM”.


A  festa que declara Jesus como Rei do universo manifesta a grande realidade dos últimos tempos onde todas as coisas serão mudadas definitivamente pela vinda do Senhor. Os cristãos se preparam para esta realidade definitiva e misteriosa a partir da prática da justiça e da solidariedade entre todas as pessoas dos diversos povos e nações. Quando somos justos e praticamos o bem, evitando o mal, já estamos preparados para receber o Senhor. Esta celebração encerra o ano litúrgico. Recorda o grande objetivo daquilo que celebramos durante os diversos tempos litúrgicos do ano. Irão pertencer a este Reino as pessoas que procuraram fazer o bem mesmo com as suas limitações.

Resultado de imagem para jesus cristo rei

EVANGELHO (Mt 25,31-46):

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso. Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e  ele separa uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde benditos de meu Pai! Recebei  como herança o reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu tive fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar’. Então os justos lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?’ Então o rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!’ Depois o rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos. Pois eu estava com fome e não me destes de comer; eu estava com sede e não me destes de beber; eu era estrangeiro e não me recebestes em casa; eu estava nu e não me vestistes; eu estava doente e na prisão e não me fostes visitar’. E responderão também eles: ‘Senhor quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso, e não te servimos?’ Então o rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo, todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!’ Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna”.

“Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!”

Resultado de imagem para jesus cristo rei

Desde crianças lemos algo sobre os reis e suas histórias fantásticas. Reis que eram bons e maus. Os que se interessavam pelo bem comum e os que eram indiferentes. Desinteressados, desligados das necessidades do povo. Qual é a finalidade da verdadeira monarquia? Na história da monarquia os reis eram ungidos para defenderem o povo. Deveriam dar proteção especialmente aos mais fracos. Fazer o possível para que todos se sentissem bem. A celebração deste domingo recorda Jesus Cristo, Rei do universo. Se Ele reinasse em nossas famílias e em nossa vida, automaticamente teríamos um mundo bem melhor. Jesus Cristo veio instituir o Reinado de Deus que acontece em nosso coração em primeiro lugar e depois se expande para o mundo.
A passagem deste evangelho, em uma primeira instância parece ser um pouco dura demais. Talvez até o ponto de não percebermos a misericórdia de Deus que sempre se manifesta em todas as outras passagens. O fato é que Deus nos quer solidários naquilo que recebemos d’Ele. Somos obrigados a partilhar o que temos com os mais necessitados. A caridade é essencial para os que querem se salvar. Não poderão participar do Reino os que se fecharem em seu próprio egoísmo. O Reinado de Deus é o reinado do amor. O amor verdadeiro é abertura para o outro no esquecimento de si mesmo.

Resultado de imagem para jesus cristo rei

O que deve caracterizar a vida do cristão? Ver no necessitado a figura do Senhor que está presente no sofrimento de todas as suas criaturas. O “quando foi” neste evangelho é repetido várias vezes para que entre em nosso coração a realidade da presença de Jesus na vida dos que sofrem. O sofredor é assumido pelo Senhor como se fosse sua própria pessoa. Não adianta termos muitos bens ou até conhecermos em profundidade a verdade se não somos capazes de ver ao nosso lado o irmão que sofre. A vida do cristão deve se igualar a Cristo que deu sua vida para salvar a todos. A concretização do Reino de Deus, que sempre foi um grande desafio desde o Antigo Testamento, só irá acontecer a partir da solidariedade. Somos obrigados a promover a vida humana em todos os níveis.
Os necessitados ou empobrecidos são os que sofrem no sentido material e espiritual. Talvez os materialistas, que se fecham em seu próprio mundo, pensando erradamente serem os autores de sua felicidade, sejam bem mais pobres do que os que sofrem a fome e a miséria como consequência da falta de distribuição dos bens de forma mais justa e igualitária.
Estaremos preparados para receber o Senhor, quando gastarmos bem a nossa existência na concretização dos valores da mensagem de Jesus. O mundo individualista destrói a si mesmo com suas empresas que arrastam a humanidade a sua própria condenação.
O ser humano é muito mais que simples relações comerciais. Somos criados como imagem de Deus. Somos amados concretamente por Ele. Por isto surge a exigência da partilha, do respeito com os semelhantes que passam pelo mesmo processo de amor da parte de Deus. A solidariedade é consequência do amor que sentimos em nossos corações. Devemos nos empenhar em construir um mundo de fraternidade e justiça onde todos possam ser felizes. Somos responsáveis pela manutenção do bem dentro da sociedade.

Resultado de imagem para jesus cristo rei

 “Senhor Jesus venha reinar em nossas vidas para sermos instrumentos de transformação do mundo”.







domingo, 12 de novembro de 2017

Como usamos nossos talentos?


 Resultado de imagem para parábola dos talentos


“DEVEMOS USAR TODOS OS TALENTOS PARA FAZER O BEM NESTA VIDA EM PREPARAÇÃO PARA A VIDA ETERNA”.



Saber administrar os bens materiais e espirituais que Deus nos dá é, sem dúvida alguma, o maior desafio que temos em nossa vida. Na realidade não somos donos de nada somos meros administradores dos dons de Deus. Ele nos criou a sua imagem e semelhança para podermos servi-lo com alegria nesta vida nos preparando para a vida definitiva. A parábola dos talentos nos questiona profundamente sobre a direção que damos a tudo que o Senhor nos concede de graças, dons, talentos, que na realidade não nos pertence. Recebemos um empréstimo para direcioná-los na prática do bem que irá definir o que receberemos na vida eterna.


Resultado de imagem para parábola dos talentos


EVANGELHO (Mt 25,14-30):

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: “Um homem ia viajar para um país estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou. O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles, e lucrou outros cinco. Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. Mas aquele que havia recebido um só, saiu, cavou um buraco na terra, e escondeu o dinheiro do seu patrão. Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados. O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: ‘Senhor, tu me entregastes cinco talentos. Aqui estão mais cinco que lucrei’. O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: ‘Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei’. O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: ‘Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantastes e ceifas onde não semeastes. Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence’. O patrão lhe respondeu: ‘Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e que ceifo onde não semeei? Então devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence’. Em seguida, o patrão ordenou: ‘Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Ali haverá choro e ranger de dentes!”

Resultado de imagem para parábola dos talentos

“Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado”.

A parábola dos talentos é um grande desafio para todos nós. Ficamos um pouco aborrecidos com esta frase de Jesus parecendo em um primeiro momento uma atitude muito severa da parte do Senhor. Coitado daquele que tem pouco. Terá menos e ainda lhe será tirado. Parece uma injustiça, pois o que tem menos deveria ganhar mais. Na realidade o que percebemos é que aqui se encontra a liberdade da pessoa na administração dos bens. Quando usamos tudo para o bem recebemos mais bem. Quando escondemos o bem, ficamos estagnados e esta atitude pode ser perigosa nos fazendo decrescer na virtude.
O preguiçoso não consegue usar os bens para o bem do próximo, fica fechado em si mesmo. Aqui percebemos que as maiores injustiças sociais que existem na humanidade são frutos de mera especulação. Investimentos virtuais que trazem a morte para pessoas inocentes.

Resultado de imagem para parábola dos talentos

O grande dilema de nossa existência é o saber administrar os dons e os bens que o Senhor nos dá constantemente. Os dons são qualidades humanas e espirituais que Deus nos dá para nos santificar e santificar os nossos irmãos. Os bens são as coisas materiais que devem ser direcionadas para a manutenção dos dons em favor da comunidade. Na realidade tudo é Graça de Deus que é um presente. Ela exige uma tarefa responsável da nossa parte através do uso correto de nossa liberdade.
O maior dom que nós recebemos de Deus é a nossa própria vida que deve ser vivida no amor e na solidariedade. O segundo dom é a Fé que faz que obedeçamos a Deus. A Fé é cultivada somente pela oração. Seremos felizes no momento em que começarmos a participar da felicidade de Deus na partilha de todos os dons e bens que Ele nos concede. Fomos criados para Ele e devemos ter os mesmos sentimentos d’Ele para sermos realmente felizes. Nada nos pertence. Somos administradores e devemos fazer de tudo para que este mundo seja melhor lutando contra o individualismo e tentando viver o altruísmo.
Podemos pensar que esta parábola não seja uma expressão de misericórdia para o que tem pouco. Mas na realidade todos têm as mesmas condições de praticar o bem. Cada um na sua medida. O que tinha recebido menos deveria ter produzido da mesma forma o dobro do pouco que havia recebido. Todos têm a mesma proporção de amor da parte de Deus. O que nos pode diferenciar é a missão na prática do bem de cada um que deve colaborar na construção do Reino. Não podemos esconder os dons que recebemos de Deus, pois na realidade eles não nos pertencem. Eles nos são dados para a edificação da comunidade.

Resultado de imagem para parábola dos talentos

O grande desafio que os cristãos sempre enfrentarão na prática da fé é o combate ao individualismo. Este leva a pessoa a fechar-se sobre si mesma pensando que é autora de sua felicidade. Muitos cristãos se fecham neles mesmos com medo das críticas dos outros que pode ter origem na inveja que não edifica nada. Quando somos realmente solidários em nossa vida, vamos descobrindo o que o Senhor nos pede. Aos poucos vencemos as nossas dificuldades e limitações e passamos a utilizar os dons que Ele nos concede em favor dos irmãos.
Pode acontecer no mundo individualista de hoje, que o que tenha mais esconda mais os seus dons. Nos bens espirituais acontece diferente, pois quem se envolve com a Graça de Deus imediatamente quer partilhar a felicidade profunda que sente em seu coração.
A nossa comunicação com Deus nunca nos leva ao fechamento, mas sim a preocupação com os demais. Por esta razão para sabermos administrar os dons que Deus nos dá necessitamos de uma vida profunda de oração, pois ela vai nos indicando como devemos agir.
A nossa conversão deve acontecer na linha do crescimento pessoal e comunitário. Devemos crescer no conhecimento de Deus, de nós mesmos e depois nos lançarmos na partilha do essencial. 
Vamos ter mais para apresentar ao Senhor na medida em que mais nos aprofundarmos no seu amor. O importante não é o que fazemos, mas sim o como fazemos. O nosso ser deve estar em processo de aceitação do amor de Deus para sabermos administrar a nossa existência em favor de nossos irmãos.

Resultado de imagem para parábola dos talentos

“Senhor Jesus nos ajude a viver a nossa vida sempre em processo de abertura para Vós e para nossos irmãos”.